quinta-feira, 27 de setembro de 2012

A casa de chocolate

Por: Bella Papadopoulou.

Foi o americano, mais precisamente de Nova Iorque Alan Slesinger que trouxe vida nova no que era um antigo prédio colonial dos anos 30. Hoje Vila Rosa se mantém orgulhosa com uma área de 100 hectares sendo grande parte uma fazenda de cacau e com certeza um pedaço do paraíso.

Na parte da manhã todos nós nos encontramos em frente ao café de Alan no Casarão Azul e antes de embarcar na sua Land Rover que nos levará a Taboquinhas, onde o Vila se encontra, ele afirmou, "esta experiência será totalmente diferente do que nós estávamos esperando".
O transporte até lá é metade da diversão, como nós dirigimos através da intocada floresta Atlântica, as fazendas de palmeiras e açaí montam o cenário no caminho. Do alto acima na estrada, podemos ver o rio de Rio das Contas, que começa na Chapada Diamantina e termina em Itacaré, fazendo uma parada em Vila Rosa antes de finalizar seu percusso.
"Eu acho que o que vai fazer a sua viagem tão especial é a beleza do lugar e, claro, um pouco de chocolate no topo", Alan disse enquanto dirigiamos a 30 km de Itacaré, onde apenas 10 estão asfaltadas, então, aperte o cinto.
De onde é que o chocolate vem? Todos nós comemos, somos chocolatras assumidos - alguns ainda afirmam que não vivem sem esse sabor - mas poucos sabem realmente quais são suas origens. É certo dizer que um passeio pela fazenda de cacau em torno de Vila Rosa irá esclarecer todos os pontos de interrogação.
Finalmente chegamos à Vila Rosa e fomos recebidos por Mussum o cachorro pertencente a Vila, que recebeu todos nós de forma alegre e amiga. Em torno de nós apenas flores e árvores de todos os tipos e com um sentimento de como se estivessemos em um mundo totalmente diferente. Olhando ao redor do cenário verde (e os muitos caminhos organizados como verdadeiras calçadas) Vila Rosa se mistura entre as flores fazendo uma boa primeira impressão .
Começamos o passeio ao redor da fazenda, que é o lar de mais de 40 tipos diferentes de frutas, enquanto Alan explicava todo o processo de como o chocolate é feito, a partir do zero! Eles são muito cuidadosos para não prejudicar o meio ambiente e é por isso que eles só cultivam as plantas de maneira orgânica. As sementes do cacau são utilizadas para o chocolate, o sumo é pressionada para fabricação de bebidas e do famoso mel de cacau e os restos do fruto são deixados para a compostagem de modo a não se perder nada, tudo se aproveita!
Maria Letícia Ribas foi uma das visitantes em nosso grupo e ela estava absolutamente espantado com o passeio. "Foi uma surpresa ver que o chocolate começa como uma semente. Também fiquei surpresa pelo seu sabor, como eu pensei que seria doce, mas na verdade era muito amargo ", diz ela.
Depois do passeio pela fazenda de cacau, todos nós entramos na Vila Rosa que foi restaurada e transformada num museu. Aqui você vai ver como era a vida de uma família que morava no local na década de 30 e terá uma visão no tempo de como era a vida de um produtor de cacau nesta região.
No final tudo foi resumido com uma deliciosa fatia de pizza no estilo Nova Iorque acompanhada do suco de cacau fresco feito na hora. Nosso dia na fazenda chegou ao fim e era hora de dirigir de volta para o mundo moderno, onde o chocolate não vem de uma árvore, mas a partir do próximo supermercado.
Se um dia não é suficiente, pode-se passar a noite e se deliciar de um jantar colonial, na Vila Rosa. Confira a página oficial da Vila Rosa para mais experiências: www.vilarosaitacare.com

 





sexta-feira, 21 de setembro de 2012

"Você sabe que é de Itacaré quando ..."



Por: Bella Papadopolou.  

 Tal como em qualquer outro lugar, viver em Itacaré molda suas rotinas diárias depois de um certo tempo. Parece que há algumas coisas que de maneira deliciosa e espontânea, contagiam aqueles que irão passar alguns dias aqui na cidade fazendo com que o processo de adaptação seja rápido e muitas vezes curioso. Perguntamos a ambos nativos e ”nativados" sobre isso e eles tinham  que completar a frase "Você sabe que é de Itacaré quando ..."  abaixo estão as respostas mais populares: 

1. Você sabe que é de Itacaré quando você vai a praia todos os dias.
Bem, com tantas belas praias cercadas de MataAtlântica, é difícil ficar em casa. A praia aqui não é um lugar para ir no fim de semana, faz parte de um inevitável estilo de vida. 

2. Você sabe que é de Itacaré quando você usa as mesmas Havaianas para praia, trabalho e festa.
Por que mudar quando elas são tão confortáveis e práticas? Desfrute de um lugar que socialmente aceita Havaianas como código de vestimenta adequada para cada ocasião. Brincar com cores e padrões, como existe uma grande variedade disponível. 

3. Você sabe que é de Itacaré quando o surf é mais importante que comer, dormir e trabalhar.
É difícil não se tornar um surfista na cidade onde há picos para todos estilos e níveis. Pegue uma prancha, dirija-se para o mar com os seus outros amigos ”ratos” de praia e se divirta pegando ondas o dia inteiro.

 4. Você sabe que é de Itacaré, quando você diz "Oi!" a Dinha na rua.
 Eu acho que não é segredo que você é "nativada" quando você dá saudações até para famosa senhora depiladora da cidade, Dinha, na rua. Você está no Brasil. Mantenha o estilo!

 5. Você sabe que é de Itacaré quando o cara que vende óculos de sol na praia para de mostrar as mercadorias dele para você.
 O primeiro sinal de ser "nativada": os vendedores perderam a fé em você de comprar algo deles e em vez disso, ignoram sua presenca completamente.

 6. Voce sabe que é de Itacaré quando você não pode andar na rua da Pituba sem ao menos três pessoas te dizerem: "tudo bem?".
 Você vai logo perceber como é fácil fazer amigos aqui e até o final de suas férias (se você não decidir ficar para sempre), você vai se tornar um "politico" em cada esquina.

 7. Você sabe que é de Itacaré quando a chuva é uma desculpa aceitável para não fazer nada.
 A Bahia é o lugar onde os dias ensolarados são uma promessa o ano inteiro. Quando o sol se esconde, nos escondemos também!
  8. Você sabe que é de Itacaré quando você não vai a praia  todos os dias – e quando vai- senta-se à sombra.
 Isto também é verdadeiro. Embora a praia faça parte crucial de sua vida itacareense, nós ficamos muito acostumados de te-las tao perto no dia a dia que, eventualmente, damos um tempo deste hábito.

 9. Você sabe que é de Itacaré quando você pode ter uma conversa inteira com base nas palavras "beleza" e "massa".
Dizem que uma imagem vale mais do que mil palavras. Assim são as palavras "beleza" e "massa".  Podem se adequar a qualquer contexto podendo ter vários significados.

10. Você sabe que é de Itacaré, quando você se sente como  parte da família itacareense.
Por último, mas não menos importante, o sentimento de pertencer ao amigável povo local, o que normalmente leva anos para acontecer, em Itacaré leva apenas uma caipirinha.


quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Dia Nacional da Independência em Itacaré


Por. Bella Papadopoulou.
  
As comemorações e festejos do dia da independência foram destaques nas ruas de Itacaré durante todo o dia com passeatas, protestos e fantasias.

foto: Yvonne Delos Reyes.
No dia 7 de setembro de 1822, o príncipe Dom Pedro declarou a Independência do Brasil quando disse a famosa frase "Independência ou Morte".
foto: Yvonne Delos Reyes.
Dia da Independência é um feriado comemorado em todo o país e ao mesmo tempo grandes desfiles são realizados nas cidades. Os itacarensees aproveitaram também o dia de folga para irem relaxar na praia.
Mas mesmo com toda essa descontração praieira Itacaré tem um desfile próprio, onde as crianças de todas as idades se reúnem e marcham pela cidade juntos. Assim como naquele dia em 1822, quando o príncipe Dom Pedro levantou-se para o seu país e gritou "liberdade ou morte", 7 de setembro continua sendo um dia de levar tal mensagem de luta a diante.
Este ano, o tema principal dos desfiles foi ecologia e sustentabilidade, levantando uma questão que tem sido a bola da vez no Brasil, recentemente com a convenção sustentável, tanto da ONU que está sendo realizada no Rio e em novas legislações impostas sobre a Amazônia.
foto: Yvonne Delos Reyes.
As crianças marcharam pelas ruas de Itacaré segurando pequenas árvores plantadas em garrafas de plástico recicladas e mostrando cartazes com mensagens como "cuidar da natureza e jogar seu lixo no lixo".
Yvonne Delos Reyes é voluntário na ONG "Punho Forte", onde as crianças organizaram um grande desfile para a ocasião. "Foi uma experiência verdadeiramente incrível fazer parte desta festa e todas as crianças estavam muito animadas para fazer parte do desfile", diz ela.
Em Brasília, a celebração acontece na Esplanada dos Ministérios com um desfile militar na presença do Presidente do Brasil. Cerca de 30 mil pessoas comparecem ao evento a cada ano.





quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Viajantes de peso em Itacaré!

Por: Bella Papadopoulou.

Há algo de especial sobre as baleias. Todo mundo ama e quer compatilhar um momento de aparição desta criatura mesmo que seja apenas para ver a cauda de uma. Talvez seja o seu comportamento amigável ou seu tamanho impressionante. De qualquer maneira, estar cara a cara com a baleia Jubarte de 16 metros de comprimento é algo que você nunca vai esquecer!
 Cinco anos atrás, a pesquisadora e estudante de biólogia, Nayane Rosetti e sua equipe, começou a fazer viagens de barco diáriamente para alto mar na intenção de ver a baleia Jubarte bem de perto. As baleias vêm para as águas quentes de Itacaré para reproduzir e passar um período longo - como se fosse de férias - de julho a novembro todos os anos.
Após este tempo de viagem ao longo do litoral brasileiro elas migram de volta para a Antártida, que fica a cerca de 4000 quilômetros de distância. Com uma velocidade média de 42km/dia, todo o trajeto demora cerca de 2 meses até o destino final, onde ficarão (principalmente para comer toneladas de camarão) até julho do ano seguinte.
Ninguém sabe ao certo por que as Jubartes escolhem este lugar para se reproduzirem, algumas teorias acredita-se que sejam as correntes e a temperatura da água. Mas espera um pouco, quem não gostaria de viver em Itacaré?
Presenciar essas criaturas de tão perto é uma coisa emocionante. Betinha Yonashiro participou da viagem e ficou surpresa com o que viu.
"Quando eu vi a baleia mãe brincando com seu filho recém-nascido senti vontade de chorar. Testemunhar aquele momento foi uma coisa incrível ", disse ela.
Nayane que tem encontrado as baleias quase que diariamente durante as temporadas, sente-se como se fosse a primeira vez.
"É algo muito especial e emocionante ver estas criaturas doces e amigáveis. É divertido, porque elas também são muito curiosas para ver as pessoas" diz Nayane.
Mas não é só isso que faz esta divertida viagem especial, é toda a atmosfera no barco. Uma feliz tripulação, frutas frescas servidas, canções tranqüilas junto com a água turquesa e um sol sempre brilhando é uma receita para uma ótima atividade durante o dia.
Os movimentos habituais que se podem esperar do comportamento das baleias são acenos, gestos ou movimentos com a cauda, ​​nadam perto da superfície, espreitando para fora toda a cabeça ao saltarem.
Muitos perguntam se há garantia de encontrar sempre alguma e, como Nayane diz "não é uma coisa planejada, como todos os animais elas têm as suas próprias rotinas, mas isso nunca aconteceu, em todos esses anos que saimos sempre encontramos elas" .