sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

REVEILLON 2016 ITACARÉ - BAHIA

O Reveillon em Itacaré, como é de costume, promete agitar a cidade e os turistas que estiverem por aqui!!! São diversas opções de festas, geralmente com pé na areia para o clássico pulinho das 7 ondas...

O tradicional Reveillon da Cabana Corais na Praia da Concha, traz grandes atrações nacionais e locais, como Jau, Scambo, Massa Sonora, DJS e muito mais.


 Com uma programação diversificada, agradando a vários estilos, o Reveillon dos Corais terá opções de ingressos desde pista à camarote all inclusive. Além da queima de fogos exclusiva para quem estiver presente.
Esse que é o mais famoso reveillon de Itacaré, oferece aos turistas e moradores uma ótima opção para a chegada de 2016 em alto astral, com pé na areia e muita gente bonita!

Outra opção é o Reveillon do Restaurante Mar e Mel, também na Praia da Concha... Trazendo Djalma Assis e Banda The House tocando o melhor da música nacional.



E para quem quer passar a virada de ano com mais tranquilidade é de praxe muitas pessoas irem para a Praia da Resende, onde famílias com crianças e turmas de amigos se reúnem com suas champagnes e velas espalhadas pela areia, num clima bem praiano e tranquilo, que também é a cara de Itacaré!

Além disso, há o Reveillon e a queima de fogos na Orla de Itacaré, organizado pela prefeitura, sempre com atrações que agradam a diversos estilos e gostos. Bem como, há também diversas festas de cabanas de praia e hotéis e pousadas, algumas sendo privadas outras não.




O que não dá é ficar de fora desse agito que Itacaré e suas belíssimas praias, movimentadíssimas no período, oferecem à todos!!!

QUE TENHAMOS TODOS UM FELIZ 2016!!!

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Itacaré está entre as cidades escolhidas para a passagem da Tocha Olímpica

Ver a Tocha Olímpica passar já é emocionante, mas ver a Tocha Olímpica passar estando em Itacaré, no Sul da Bahia,  é ser muito abençoado por Deus.

Há quem diga que Deus fez o mundo em 5 dias, em 1 fez Itacaré e no sétimo descansou. Bem... que ele estava inspirado, isso ninguém pode negar.

Se você já está na expectativa, vá anotando em sua agenda que a Tocha Olímpica vai passar por aqui no mês de maio de 2016, a data exata será ainda definida.

E os felizardos que irão carregar a Tocha Olímpica 2016 já foram indicados pela comissão da prefeitura de Itacaré que apontou quais nomes da cidade mereciam carregar a Tocha, foram 05 os nomes indicados.

A Tocha Olímpica vai sair da Grécia e após percorrer o Brasil chegará ao Rio, onde será realizada as Olimpíadas, mas esta, em especial foi redesenhada especialmente para traduzir as cores e a alegria dos brasileiros, de acordo com informações do COB, foram 02 meses trabalhando só no design da Tocha Brasileira, após mais de 200 esboços até chegar ao modelo atual.

Serão cerca de 300 cidades no Brasil por onde irá passar a Tocha, antes de passar por Itacaré, ela virá de um pernoite em Ilhéus e partirá cedo para Itacaré, depois segue para Camamu, Ituberá, Valença e Morro de São Paulo.

Celebração em Itacaré

Após fazer o percurso, a Tocha chegará até a Praça 02 de Julho, onde será a Praça de Celebração. Para este dia será organizada uma grande comemoração pela equipe da Prefeitura local. Para acompanhar a passagem da Tocha, deverá seguir um comboio formado por 18 carros, numa velocidade máxima de até 6 km por hora e que essa passagem será no mês de maio de 2016, mas somente a data ainda será definida.
Com isso, Itacaré já se prepara para mais um momento histórico e a comunidade de Itacaré agradece pelo empenho da gestão em trazer a Chama Olímpica para a cidade.

Além do próprio momento histórico para Itacaré, da comoção da comunidade local e dos visitantes da cidade nessa data. Esse evento é muito importante para Itacaré porque será mais uma vez um grande divulgador da cidade mundo a fora, já que o retorno de mídia é incalculável, e isso a cidade só tem a ganhar, inclusive com o Turismo. Comenta Jarbas Junior, secretario de Administração do Município. (Assecom)

Dados sobre a Tocha Olímpica no Brasil

“Além do carregador, o revezamento envolve todo um comboio de veículos, que deve passar por cerca de 500 cidades: 300 receberão o revezamento propriamente dito e outras 200 assistirão à passagem do comboio com a chama exposta. A lista completa do trajeto será divulgada no início de 2016. Todo o percurso foi montado sob a premissa do maior número possível de pessoas impactadas, dentro do período pré-estabelecido para a duração total do revezamento”. Diz Nuzman

A jornada começa em maio de 2016 e irá durar entre 90 e 100 dias. Serão 12 mil condutores, cada um percorrendo cerca de 200 metros com sua tocha - o que é passado de uma para outra é a chama Olímpica, a mesma acesa ainda na Grécia. Serão 20.000 quilômetros por estradas e ruas brasileiras e mais 10.000 milhas aéreas em trechos das Regiões Norte e Centro-Oeste, entre Teresina e Campo Grande – sem que o fogo se apague. (Rio 2016)

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Festival Gastronômico em Itacaré terá show com Jorge Vercillo comemorando 20 anos de carreira

Cantor estreia no Festival Gastronômico Sabores de Itacaré o show da turnê que celebra seus 20 anos de carreira, no dia 12 de dezembro, no Stand Conchas do Mar
Muito mais do que uma variada opção gastronômica e belas paisagens vão animar Itacaré, entre os dias 3 e 13 de dezembro, quando acontece a segunda edição do Festival Gastronômico Sabores de Itacaré. Na data, vários eventos culturais animam a cidade, inclusive a comemoração dos 20 anos de carreira de Jorge Vercillo, no dia 12 de dezembro, no Stand Conchas do Mar, com abertura dos portões às 21 horas. A programação acontece na orla da cidade, na Praça da Mangueira e na Passarela da Vila.
Entre as opções, shows musicais, aulas de culinária, feira de agricultura familiar e artesanato, apresentações culturais, festas do chef em vários restaurantes, mostra de filmes e teatro. Além de Vercillo, destaque para Jota Veloso, que se apresenta no dia 11, em show aberto ao público. No dia 3, começam as aulas shows com chefs de diferentes regiões. A música inicia dia 4, com Ronara Criola e Bruta Raça. No dia seguinte tem chorinho na Orla e Zalela na Praça da Mangueira.
No dia 7, começam as festas dos chefs. Nestes encontros, os anfitriões de badalados restaurantes de Itacaré abrem sua casa com shows e o melhor da sua gastronomia. Participam do projeto os restaurantes Villa Barracuda, Manga Rosa, Casarão Amarelo, Portal da Concha e Nuuh Bar.
Festival Gastronômico Sabores de Itacaré – Com o Cacau como tema principal o evento acontece em dez dias. Na data, 36 restaurantes participantes apresentarão pratos com os produtos tradicionais da região cacaueira, principalmente aqueles cultivados pela agricultura familiar. O evento contará com atrações artísticas e culturais envolvidos nos principais pontos da cidade como Orla, Pituba, praça das mangueiras e passarela da Vila.
Com essa diversidade, a proposta é envolver os restaurantes e ambientes turísticos da cidade no projeto. O Festival Gastronômico Sabores de Itacaré ainda contará com feira de produção associada ao turismo, de agricultura familiar e de artesanato. Participam da iniciativa chefes locais, regionais e nacionais para desenvolver o que mais reinará no evento: a culinária. Para capacitar o trade local, o festival contará com cozinha show, rodas de conversas, visitas técnicas, e, este ano, uma novidade as Festas do Chef.
Jorge Vercillo. Foto: Divulgação
Jorge Vercillo. Foto: Divulgação
Jorge Vercillo – O cantor e compositor estreia o show da sua mais nova turnê, “Jorge Vercillo – 20 Anos”, na qual o artista celebra duas décadas de carreira e interpreta seus mais marcantes sucessos. O espetáculo apresenta toda a diversidade musical de Vercillo, dos vários temas de novela, como “Fênix” e “Ela une todas as coisas”, até os hits radiofônicos como “Quem nem maré” e “Monalisa”. Também estão presentes nuances que partem das sofisticadas canções de influência MPB, como “Encontro das águas”, “Face de Narciso” e “Melhor lugar”, até as dançantes “Homem Aranha”, do CD “Elo”, e “Líder dos templários”, do CD “Coisa de Jorge”.
Sob a direção artística de Jorge Vercillo e André Neiva, o cenário do show traz uma série de projeções que fazem um grande passeio pela vida e pela obra do artista, emoldurados pela iluminação de Alberto Ramos. O show “Jorge Vercillo – 20 Anos” não traz apenas uma amostragem de hits, mas sim um exemplo de como se pode construir uma carreira de êxito no mercado musical com criatividade, versatilidade e conteúdo.
Jorge Vercillo sobe ao palco acompanhado de experientes músicos, como André Neiva (contrabaixos e vocal), que também assina a direção musical do show; Misael da Hora (teclados e vocal); Claudio Infante (bateria), João Gaspar (violão, guitarra e vocal) e DJ MAM (sampler e vocais).
Itacaré – Situada na Costa do Cacau, ao sul de Salvador, a pequena cidade abriga uma grande variedade de belezas naturais: praias maravilhosas, cachoeiras deslumbrantes, Mata Atlântica preservada, rios e manguezais. Muitos consideram como o lugar que tem as melhores ondas da Bahia. Itacaré, com formação geológica única no Nordeste Brasileiro, é muito visitada por praticantes de esportes radicais e de aventura.
A cidade conta com mais de oito mil leitos de hospedagem e 174 bares e restaurantes, divididos entre quatro hotéis, 84 pousadas, 52 casas de temporadas, 27 flats, nove camping, seis hostels e duas hospedagens rurais. O destino turístico tem opções para todos os gostos. Isso sem falar nas 14 encantadoras praias, seis delas urbanas que muitas vezes podem ser vistas da janela do quarto.
Para chegar à cidade, que fica na Costa do Cacau, saindo de Salvador, há a opção de pegar o ferry-boat para Bom Despacho, na Ilha de Itaparica, e seguir até Itacaré pela rodovia BA-001. Para sair de Ilhéus, o acesso é direto pela BA-001, seguindo o litoral.
“Jorge Vercillo – 20 Anos”
Data: 12 de dezembro​ (sábado)​
Local:Stand Conchas do Mar
Site: www.festivalsaboresdeitacare.com.br
Horário: 21 horas
Valor: R$ 30,00
Vendas: Mahalo de Itacaré e nos balcões de Itabuna e Ilhéus
Classificação etária: 14 anos
2ª edição do Festival Gastronômico Sabores de Itacaré
De 3 a 13 de dezembro
Participam 36 estabelecimentos
Fonte: Folha Geral

Mais de 2 mil motociclistas do Brasil e do exterior se reuniram no IV Motofest em Itacaré

Se inscreveram no Motofest 240 motoclubes de todo o país


O evento foi realizado por Cleyton e Jorge Marabá do Navegadores Moto Clube de Itacaré e teve o apoio da Prefeitura Municipal e de grande parte do comércio local e das pousadas tendo grande importância para o município, pois além de ter reunido mais de 8 mil turistas na cidade, ainda divertiu a comunidade local com as apresentações de motos e atrações musicais que se apresentaram no palco da Orla.
A ideia geral do evento é reunir os amigos numa grande confraternização, por isso não houve premiação, mas todos os Motoclubes inscritos ganharam troféus de participação.
O público foi ao delírio quando ouviram o ronco das motos que estiveram presentes, as máquinas eram de impressionar. Tiveram também apresentações da equipe Stunt com manobras radicais. As acrobacias aconteceram em Itacaré no sábado e no distrito de Taboquinhas no domingo.
Clique aqui e confira as fotos do IV Motofest em Itacaré, que aconteceu do dia 20 a 22 de novembro de 2015. 

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Itacaré se prepara para sediar mais um grande evento

Nos próximos dias Itacaré sediará o IV Moto Fest entre os dias 20 e 21 de novembro. O evento está sendo promovido pelos Navegadores de Porto Seguro com apoio da Prefeitura Municipal de Itacaré e promete agitar a cidade. 


O evento contará com uma recepção aos motociclistas, música ao vivo, churrasco gratuito para os motociclistas e troféus, além das belas praias como paisagem.

Anote aí:

Evento: 4º Moto Fest Itacaré
Datas: 20 e 21 de Novembro de 2015
Local: Orla, Praça de São Miguel
Contato para mais informações: jorgemaraba@hotmail.com, cladipe@hotmail.com
Organizador: www.navegadores-mc.com.br


ASSECOM (Assessoria de comunicação)

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Kanoa Igarashi é o vendecor do Mahalo Surf Eco Festival 2015

O jovem norte-americano Kanoa Igarashi, 18 anos, acabou com a hegemonia de títulos brasileiros no campeonato mais tradicional do Circuito Mundial na América do Sul, vencendo a oitava edição do Mahalo Surf Eco Festival na manhã do domingo em Itacaré, no sul da Bahia.

Kanoa Igarashi (Foto: Daniel Smorigo – WSL)

Ele entrou na bateria final com Connor O´Leary, 22, já garantido na elite dos top-34 da World Surf League para o ano que vem e o australiano foi o único a entrar na zona de classificação par o WCT no segundo desafio da “perna brasileira” de fim de ano da WSL South America na Praia da Tiririca. O paulista David do Carmo, 31 anos, parou nas semifinais e ficou empatado em terceiro lugar com outro australiano, Ryan Callinan, 23. Todos agora partem para a última parada antes do encerramento da temporada na Triplice Coroa Havaiana, o QS 10000 Oi HD São Paulo Open of Surfing, que começa nesta segunda-feira na Praia de Maresias, em São Sebastião.

“Não estou nem conseguindo descrever o sentimento que estou agora, só sei que está sendo tudo muito incrível pra mim”, foram as primeiras palavras de Kanoa Igarashi quando chegou ao pódio do Mahalo Surf Eco Festival. “É a maior vitória da minha vida e o melhor ano da minha vida. Está difícil de acreditar que consegui vencer esse evento com tantos surfistas bons competindo aqui, mas estou muito feliz e quero comemorar muito essa vitória e a classificação para o WCT com meus amigos”.

A grande final foi iniciada as 10h00 na Praia da Tiririca e Kanoa Igarashi já abriu a bateria voando num aéreo que valeu nota 7,0. Logo o americano pega outra onda pra direita e acerta duas manobras fortes de frontside para tirar nota 6,17. Connor O´Leary demora um pouco pra pegar sua primeira onda, mas escolhe uma boa direita para aplicar três batidas e rasgadas muito fortes que renderam nota 7,77. O australiano repete a dose na onda seguinte para tirar 5,93, mas Kanoa vem atrás numa direita maior para fazer duas grandes manobras para arrancar nota 7,40 e manter uma boa vantagem de 6,63 pontos.

Tudo isso aconteceu nos dez primeiros minutos da bateria e os dois continuaram surfando o melhor deles a cada onda. Connor continua apostando nas direitas com seu potente backside de manobras verticais, mas sem conseguir virar o resultado nas primeiras tentativas. Kanoa preferiu manter a prioridade de escolha da próxima onda, aguardando pelas maiores das séries, enquanto o australiano ia pegando as que ele deixava passar. Ele arrisca um aéreo muito alto de backside que não completa, mas continua ativo e acha uma direita que rendeu duas batidas fortes que valeram 6,97 e a virada no placar 14,74 a 14,40 pontos.

O americano passou a precisar de 7,35 pontos nos oito minutos finais da bateria, mas permaneceu tranquilo no outside aguardando por uma onda boa para tirar uma nota parecida com as duas que ele já estava computando. O tempo foi passando numa hora de calmaria no mar, o sinal de 5 minutos para o término soou sem entrar nada de ondas, mas há 3 minutos do fim ele pega uma direita, sai acelerando e decola num aéreo full rotation de frontside que arrancou 7,57 dos juízes, deixando o australiano precisando de 7,20 pontos para vencer. Só que Kanoa ainda pega outra direita pra mandar dois aéreos numa onda pequena que não entrou no somatório e o placar foi encerrada com vitória americana de 14,97 a 14,74 pontos.

Kanoa Igarashi (USA) - Foto: Daniel Smorigo

“As coisas agora melhoraram bastante para mim com essa vitória”, disse Kanoa Igarashi. “Agora não tem mais pressão por resultados porque já atingi meu objetivo, então vou poder curtir um pouco mais e relaxar, mas espero ir bem lá em Maresias (SP) também na semana que vem. Estou adorando o Brasil, gostei muito da vibração do povo aqui em Itacaré e já estou ansioso para competir no próximo evento que já começa amanhã (segunda-feira) né”.

Apesar de não ter vencido o Mahalo Surf Eco Festival, o australiano Connor O´Leary também ficou satisfeito com sua atuação nas ondas da Tiririca e sai da Bahia como recordista absoluto do campeonato, além de ter sido o único a entrar na zona de classificação para o WCT em Itacaré. “Sim, foi um grande resultado para mim. Essa é a minha primeira final em um evento importante do QS, então estou amarradão. As ondas hoje (domingo) estavam um pouco mexidas por causa do vento forte, mas ainda tinham boas direitas para tirar grandes notas, então está tranquilo e saio daqui feliz pelo vice-campeonato também”.

SEMIFINAIS – A primeira semifinal começou as 8h15 nas direitas da Praia da Tiririca que entravam com melhor formação no lado esquerdo da arena do evento. O americano Kanoa Igarashi largou na frente com notas 6,83 e 8,00 em duas ondas seguidas. O australiano Ryan Callinan só reagiu nos minutos finais, quando surfou sua primeira onda boa para mostrar a potência das suas manobras e sair da “combination” com uma nota 8,83. Mas, não teve tempo para pegar outra com potencial e a bateria foi encerrada em 14,83 a 13,16 pontos.

Na segunda bateria do dia, David do Carmo pegou a primeira onda que foi fraca e Connor O´Leary começou melhor com uma nota 6,67, mas logo o brasileiro acha uma boa esquerda para fazer uma série de três manobras e ganhar 6,73 para assumir a ponta. O australiano fica buscando as direitas onde ele fez os recordes do campeonato no sábado e consegue 6,30 para retomar a liderança e abrir 6,24 pontos de vantagem sobre David.

O mar então dá uma parada e o australiano pega outra direita na prioridade do brasileiro para tirar 6,17, que foi inferior a sua segunda nota computada. As ondas demoram a entrar e David passa a atacar as direitas de backside para tentar a virada nos minutos finais. No entanto, não conseguiu a virada no placar com as notas 5,27 e 5,97 da sua última onda. Mesmo assim, o terceiro lugar no Mahalo Surf Eco Festival foi o seu melhor resultado no ano.

David do Carmo (BRA) - Foto: Daniel Smorigo

“Infelizmente eu errei a última manobra nessa onda que até tinha um potencial, mas não consegui acertar a manobra que eu estava fazendo no campeonato inteiro. Eu rasguei e quando voltei o lip já estava em cima de mim e aí só espremi a onda, não consegui atacar ela como eu queria pra tirar uma nota mais alta”, disse David do Carmo, que subiu da 61.a para a 45.a posição no ranking com o terceiro lugar em Itacaré. “Eu acredito que se eu conseguisse atacar ela do jeito que eu pretendia, poderia ter saído a nota que eu precisava pra vencer. Mesmo assim foi um grande resultado, não dá pra ficar triste. Eu só estava perdendo nas etapas do QS e fazer uma semifinal aqui foi muito bom pra mim”.

TRADIÇÃO NA BAHIA – A oitava edição do campeonato mais tradicional do Circuito Mundial na América do Sul promovido pela Dendê Produções foi o melhor da história. O Mahalo Surf Eco Festival distribuiu uma premiação de 150 mil dólares e também registrou outro recorde com a participação de 144 surfistas de 24 países se apresentando nas ondas da Tiririca, em Itacaré, no litoral sul da Bahia. Mais uma vez, o evento lotou a cidade, principalmente no fim de semana com os shows de grandes atrações da música nacional, como Seu Jorge, Cidade Negra, Ponto de Equilíbrio, Legião Urbana, Baiana System, entre outras.

Em 2015, pela primeira vez também, o Mahalo Surf Eco Festival foi vencido por um surfista de outro país… Até o ano passado, só tinha dado Brasil no alto do pódio, começando com Adriano de Souza ganhando a primeira edição em 2008 na Praia do Forte, em Mata de São João, no litoral norte da Bahia. Depois, o evento mudou para Salvador e três surfistas festejaram seus primeiros títulos no Circuito Mundial, o cearense Marcio Farney em 2009, o baiano Bino Lopes em 2011 e o capixaba Krystian Kymerson em 2012. Em 2013, nova mudança para Itacaré e o pernambucano Halley Batista conquistou o primeiro título na Praia da Tiririca, com o paulista Alex Ribeiro sendo o campeão no ano passado.

O Mahalo Surf Eco Festival foi realizado pela Dendê Produções com patrocínio da marca Mahalo, Prefeitura Municipal de Itacaré, Pousada Ecoporan, Secretaria de Turismo do Governo do Estado da Bahia, TV Santa Cruz e Skol. A etapa do QS 6000 sancionada pela WSL South America com premiação de 150 mil dólares, valeu 6.000 pontos para o ranking mundial do WSL Qualifying Series e foi transmitida ao vivo pelo www.worldsurfleague.com

PERNA BRASILEIRA: Depois de uma semana no Costão do Santinho com o paulista Deivid Silva sendo campeão do QS 6000 Red Nose Pro Florianópolis SC e de mais uma semana em Itacaré no QS 6000 Mahalo Surf Eco Festival, encerrado na manhã do domingo com vitória americana de Kanoa Igarashi, a “perna brasileira” de fim de ano da WSL South America vai para a última parada antes da Tríplice Coroa Havaiana que fecha a temporada na ilha de Oahu. O QS 10000 Oi HD São Paulo Open of Surfing já começa nessa segunda-feira e vai até domingo na Praia de Maresias, em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – a World Surf League (WSL) organiza as competições anuais de surfe profissional e as transmissões ao vivo de cada etapa pelo worldsurfleague.com, com todo o drama e aventura do surfe competitivo em qualquer lugar e na hora que acontecer. As sanções da WSL são para os circuitos: World Surf League Championship Tour (CT), que define os campeões mundiais da temporada, Qualifying Series (QS), Big Wave Tour, Longboard e Pro Junior. A organização da WSL está sediada em Santa Monica, Califórnia, com escritório comercial em Nova York, além de sete escritórios regionais de apoio na organização dos eventos, na América do Norte, Havaí, América do Sul, Europa, Austrália, África e Ásia.

—————————————————————–
João Carvalho – WSL South America Media Officer
(48) 9988-2986 – jcarvalho@worldsurfleague.com
Assessoria de Imprensa do Mahalo Surf Eco Festival
Fernanda Matos – Laboratório da Notícia
(71) 3272-4263 – fernanda@laboratoriodanoticia.com.br
—————————————————————–

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO MAHALO SURF ECO FESTIVAL NA BAHIA:

Campeão: Kanoa Igarashi (EUA) por 14,97 pontos (notas 7,57+7,40) – US$ 25.000 e 6.000 pontos
Vice-campeão: Connor O´Leary (AUS) com 14,74 (notas 7,77+6,97) – US$ 12.000 e 4.500 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 3.550 pontos e US$ 5.500 de prêmio:

1.a: Kanoa Igarashi (EUA) 14.83 x 13.16 Ryan Callinan (AUS)
2.a: Connor O´Leary (AUS) 12.97 x 12.70 David do Carmo (BRA)

CAMPEÕES DA HISTÓRIA DO SURF ECO FESTIVAL NA BAHIA:

2015: Kanoa Igarashi (EUA) no QS 6000 Mahalo Surf Eco Festival em Itacaré

2014: Alex Ribeiro (SP) no WSL 4-Star Mahalo Surf Eco Festival em Itacaré
2014: Tatiana Weston-Webb (HAV) no WSL 4-Star na Praia da Tiririca, em Itacaré

2013: Halley Batista (PE) no WSL 4-Star Mahalo Surf Eco Festival em Itacaré

2012: Krystian Kymerson (ES) no WSL 1-Star na Praia de Jaguaribe, em Salvador
2012: Deivid Silva (SP) e Rosanny Alvarez (VNZ) no WSL South America Pro Junior

2011: Bino Lopes (BA) no WSL 2-Star na Praia de Jaguaribe, em Salvador
2011: Filipe Toledo (SP) e Gabriela Leite (SC) no WSL South America Pro Junior

2010: Coco Ho (HAV) no WSL 4-Star na Praia da Armação do Jardim de Alah, em Salvador
2010: Santiago Muniz (ARG) e Johanne Defay (FRA) no WSL South America Pro Junior

2009: Marcio Farney (CE) no WSL 3-Star na Praia da Armação do Jardim de Alah, em Salvador
2009: Alejo Muniz (SC) e Diana Cristina (PB) no WSL South America Pro Junior

2008: Adriano de Souza (SP) no WSL 5-Star na Praia do Forte, em Mata de São João
2008: Silvana Lima (CE) no WSL 5-Star feminino derrotando Sally Fitzgibbons (AUS)

G-10 DO WSL QUALIFYING SERIES – 33 etapas:

1.o: Kolohe Andino (EUA) – 27.600 pontos
2.o: Caio Ibelli (BRA) – 24.250
3.o: Jack Freestone (AUS) – 24.100
4.o: Alejo Muniz (BRA) – 23.450
5.o: Kanoa Igarashi (EUA) – 23.350
6.o: Alex Ribeiro (BRA) – 21.500
7.o: Ryan Callinan (AUS) – 18.200
8.o: Connor O´Leary (AUS) – 17.150
9.o: Jeremy Flores (FRA) – 17.000 – top-22 do WCT
10: Miguel Pupo (BRA) – 16.700
11: Filipe Toledo (BRA) – 16.500 – top-22 do WCT
12: Stu Kennedy (AUS) – 16.150

— sul-americanos até 50:

16: Michael Rodrigues (BRA) – 14.900 pontos
28: Wiggolly Dantas (BRA) – 13.200
29: Deivid Silva (BRA) – 13.075
30: Jessé Mendes (BRA) – 12.410
31: Italo Ferreira (BRA) – 12.300
35: Santiago Muniz (ARG) – 11.000
39: Bino Lopes (BRA) – 10.250
45: David do Carmo (BRA) – 9.950

52: Hizunomê Bettero (BRA) – 8.340

Fonte: www.wslsouthamerica.com

domingo, 1 de novembro de 2015

David do Carmo é o Brasil na decisão do Mahalo Surf Eco Festival

O paulista David do Carmo salvou a pátria no sábado ensolarado com boas ondas de 2-3 pés na Praia da Tiririca lotada, sendo o único brasileiro a passar para as semifinais que vão abrir o domingo decisivo do QS 6000 Mahalo Surf Eco Festival em Itacaré, no sul da Bahia. Ele despachou o costa-ricense Noe Mar McGonagle e vai enfrentar o novo recordista absoluto da etapa baiana do WSL Qualifying Series, Connor O´Leary, único que entrou na zona de classificação para o WCT em Itacaré. Outro australiano, Ryan Callinan, vai disputar a primeira vaga para a grande final na manhã do domingo com o norte-americano Kanoa Igarashi, numa bateria entre dois surfistas que estão bem próximos de confirmar seus nomes na elite dos top-34 da World Surf League.



“Deus é maravilhoso e estou muito amarradão”, disse David do Carmo. “Lá em Florianópolis (SC) eu perdi cedo fazendo interferência, mas aqui estou conseguindo soltar meu surfe com as manobras de backside e estou feliz por ser o único representante do Brasil no último dia. Já vai ser o meu primeiro pódio no Circuito Mundial esse ano, então é manter a fé, me alimentar bem agora para depois treinar pra amanhã (domingo). Eu enfrentei adversários muito difíceis hoje aqui, os caras surfam muito e eu sabia que o costa-ricense (Noe Mar McGonagle) tem um surf power (forte), então procurei forçar mais ainda as manobras pra conseguir vencer”.

David foi um dos surfistas que competiram três vezes no sábado em Itacaré. Na primeira, completou uma dobradinha brasileira com o catarinense Tomas Hermes, com ambos despachando um dos seis concorrentes que tinham chances de entrar na lista dos dez indicados pelo WSL Qualifying Series para a divisão de elite da World Surf League, o australiano Dion Atkinson. Depois derrotou o francês da Ilha Reunião, Medi Veminardi, e nas quartas de final superou o costa-ricense Noe Mar McGonagle, que tinha barrado Tomas Hermes nas oitavas de final.

MELHOR DO DIA – Seu adversário nas semifinais será o australiano Connor O´Leary, que comandou o show no sábado batendo todos os recordes do Mahalo Surf Eco Festival quando enfrentou o compatriota Michael Wright nas oitavas de final. Foi uma das melhores baterias da semana em Itacaré, com ambos dando um espetáculo de manobras modernas nas direitas da Tiririca. Connor atingiu 18,44 pontos com notas 9,57 e 8,87 e ainda descartou uma 8,50 e Michael alcançou 16,70 com notas 8,93 e 7,77. Esta vitória garantiu a entrada de Connor O´Leary na zona de classificação para o WCT, superando o francês Maxime Huscenot que ocupava a última posição na lista dos dez que se classificam pelo WSL Qualiying Series.


“Caramba, essa bateria contra o Michael (Wright) foi uma das mais difíceis, sem dúvidas. Ele é uma das maiores promessas do surfe australiano e do mundo no momento e a bateria foi muito boa de ondas”, disse Connor O´Leary. “Nós dois conseguimos tirar boas notas e somos grandes amigos. Ficamos no mesmo hotel lá em Florianópolis (SC) e aqui também, sempre jogando cartas para passar o tempo, surfando juntos todos os dias e foi muito irado porque surfamos nosso melhor na bateria. Sobre a classificação para o CT, não estou preocupado com isso agora. Estou só mantendo o foco para surfar bem e vamos ver como tudo vai terminar”.



O australiano ainda fechou o sábado com mais uma grande apresentação totalizando 17,10 pontos contra Beyrick De Vries, sul-africano que entristeceu a torcida na Praia da Tiririca ao barrar o surfista local de Itacaré, Yagê Araujo, na última bateria das oitavas de final. No ano passado, Yagê terminou em quinto lugar no Mahalo Surf Eco Festival e desta vez ficou em nono, empatado com o outro único baiano que competiu no sábado, Bruno Galini. O atleta da equipe Mahalo foi barrado pelo australiano Ryan Callinan, que vai disputar a primeira semifinal na manhã do domingo com o norte-americano Kanoa Igarashi.

VAGAS NO WCT – A classificação para o último dia foi conquistada num duelo australiano com Soli Bailey, que entraria no G-10 do QS se vencesse essa bateria. Ryan Callinan também precisava passar para se afastar da rabeira na lista e com a vitória saltou para o sétimo lugar no ranking, ficando logo abaixo de Kanoa Igarashi. Os dois estão bem perto de confirmarem suas vagas no WCT e o americano já garante seu nome se vencer o Mahalo Surf Eco Festival.

“Estou amarradão por estar nos top-10 agora, mas nunca se sabe o que pode acontecer no Havaí”, disse Ryan Callinan. “Eu acho que ainda preciso de um outro resultado bom, mas talvez uma vitória aqui possa confirmar a minha qualificação para o CT, não sei direito, mas esse é o objetivo. Estou muito feliz por ter passado para o último dia. Hoje (sábado) foi o melhor dia de ondas aqui, deu para fazer vários tipos de manobras de borda e aéreas também, então espero que amanhã (domingo) continue assim para fechar bem o campeonato”.


O americano Kanoa Igarashi também precisou mostrar o seu repertório de manobras modernas para superar os adversários no sábado. Nos confrontos homem a homem iniciados nas oitavas de final, ele primeiro derrotou o marroquino Ramzi Boukhiam e depois o argentino Santiago Muniz, que tinha feito os recordes da sexta-feira na Praia da Tiririca. Kanoa já ultrapassou a barreira dos 20.000 pontos no ranking, mas para ter sua vaga confirmada precisa da vitória na Bahia, quando atingirá 23.350 pontos para ganhar a quinta posição do brasileiro Alex Ribeiro, que já está garantido na elite dos top-34 do WCT para o ano que vem.



“Eu acho que o Santiago (Muniz) e o Connor (O´Leary) eram os melhores surfistas do evento até agora, então eu sabia que tinha que pegar as melhores ondas para supera-lo e acredito que consegui isso”, disse Kanoa Igarashi. “Estou feliz com a minha participação nas etapas aqui do Brasil. Eu fui até as quartas de final em Florianópolis (SC), agora já estou na semifinal, então a perna brasileira está sendo muito boa para mim e espero ganhar esse evento. Sobre entrar no WCT, prefiro aguardar um anúncio oficial da World Surf League”.

BRASILEIROS ELIMINADOS – O sábado começou com vitória argentina de Santiago Muniz sobre o marroquino Ramzi Boukhiam e o taitiano Mihimana Braye e com cinco brasileiros para tentar manter a hegemonia verde-amarela de títulos na oitava edição do Mahalo Surf Eco Festival na Bahia. Na primeira rodada do dia, o catarinense Tomas Hermes e o paulista David do Carmo fizeram uma dobradinha sobre o australiano Dion Atkinson. Na disputa seguinte, o catarinense Yago Dora, semifinalista em Itacaré no ano passado, foi barrado pelo australiano Connor O´Leary e o sul-africano Beyrick De Vries. Já o local de Itacaré, Yagê Araujo, venceu a última batalha por vagas para as oitavas de final, levantando a torcida que lotou a praia na vitória sobre dois australianos, Michael Wright e Wade Carmichael.


Nos duelos homem a homem iniciados em seguida, o baiano da equipe Mahalo, Bruno Galini, não conseguiu achar as melhores ondas da bateria e foi batido pelo australiano Ryan Callinan. O argentino Santiago Muniz despachou o australiano Davey Cathels no confronto seguinte e David do Carmo derrotou o francês Medi Veminardi, mas Tomas Hermes perdeu para Noe Mar McGonagle na onda que o costa-ricense surfou no minuto final da bateria. E o itacareense Yagê Araujo também caiu para o sul-africano Beyrick De Vries. Os derrotados nas oitavas de final terminaram em nono lugar, com cada um recebendo 2.500 dólares de prêmio e marcando 1.550 pontos no ranking do WSL Qualifying Series.



Nas quartas de final, Santiago Muniz foi eliminado por Kanoa Igarashi e David do Carmo foi o único surfista da América do Sul a conseguir classificação para o domingo decisivo do Mahalo Surf Eco Festival. O paulista da Praia Grande derrotou o costa-ricense Noe Mar McGonagle e já garantiu uma premiação mínima de 5.500 dólares e 3.550 pontos, enquanto Santiago ficou com 3.000 dólares e 2.650 pontos pelo quinto lugar em Itacaré.

FINAIS NA MANHÃ DO DOMINGO – As semifinais estão previstas para começar as 8h00 na Praia da Tiririca e o campeão será conhecido por volta das 11h00 na Bahia, 12h00 no horário de verão brasileiro. A vitória no Mahalo Surf Eco Festival vale importantes 6.000 pontos e uma bolada de 25.000 dólares, com o vice-campeão ficando com 12.000 dólares e 4.500 pontos.

Fonte: www.wslsouthamerica.com

sábado, 31 de outubro de 2015

Cinco brasileiros passam para o sábado no Mahalo Surf Eco Festival

A sexta-feira amanheceu com chuva em Itacaré, mas logo o Sol apareceu para o público encher a Praia da Tiririca para assistir mais um dia de disputas decisivas no QS 6000 Mahalo Surf Eco Festival, na briga pelas últimas vagas no ranking do Qualifying Series para a elite da World Surf League no litoral sul da Bahia. A batalha começou desde a primeira bateria, iniciada as 9h00 até a última do dia, encerrada as 17h00 com a classificação de dois concorrentes, os australianos Ryan Callinan e Soli Bailey. Os brasileiros que tinham chance de entrar no G-10 perderam, mas cinco continuam na luta do título do QS 6000 de Itacaré, os baianos Bruno Galini e Yagê Araujo, os catarinenses Tomas Hermes e Yago Dora e o paulista David do Carmo.



A sexta-feira já não começou bem para o Brasil, com os que estavam mais próximos da zona de classificação para o WCT sendo eliminados nos primeiros confrontos do dia. A primeira baixa foi o cearense Michael Rodrigues, barrado pelo australiano Cooper Chapman e o indonesiano Oney Anwar. Na segunda bateria, o baiano Bino Lopes perdeu para o catarinense Yago Dora a briga pela segunda vaga na disputa vencida por outro australiano, Connor O´Leary.

Na seguinte, o campeão do QS 6000 encerrado domingo em Florianópolis (SC), Deivid Silva, também ficou em terceiro contra o australiano Michael Wright e o americano Noah Schweizer. E o defensor do título do Mahalo Surf Eco Festival, Alex Ribeiro, um dos três brasileiros já garantidos no WCT pelo ranking do QS, foi batido pelo também paulista Renato Galvão e o baiano Yagê Araujo na bateria que fechou a segunda fase.

Depois a chuva parou e o baiano Bruno Galini venceu a disputa pelas duas primeiras vagas para a rodada classificatória para as oitavas de final. Com a inesperada saída de Bino Lopes, Galini é o atleta da equipe Mahalo que segue na disputa do título do Mahalo Surf Eco Festival em Itacaré. Ele está sempre abrindo cada fase com vitória, desde a bateria que abriu a etapa baiana do WSL Qualifying Series na terça-feira. Na sexta-feira, Bruno derrotou três estrangeiros surfando boas ondas que valeram notas 8,50 e 7,57 para totalizar 16,07 pontos, contra o australiano Soli Bailey, o português Nic Von Rupp e o americano Tanner Gudauskas.

“Quando eu vi essa bateria ontem (quinta-feira), eu já sabia que ia ter que surfar muito pra superar esses caras, pelo menos achar as melhores ondas pra conseguir passar, porque o nível era muito alto”, disse Bruno Galini. “Mas, eu estava confiante nas esquerdas. Eu vi o Yagê (Araujo) surfando ali na bateria antes da minha e eu acreditei nelas. No começo eu não consegui pegar, mas do meio da bateria em diante eu achei duas boas para passar em primeiro. Infelizmente o Bino (Lopes) perdeu, mas aqui é uma equipe, está todo mundo tentando representar bem a Mahalo e estou feliz por continuar defendendo a marca no evento que ela patrocina”.

OITAVAS DE FINAL – Depois, Bruno Galini voltou ao mar para disputar as duas primeiras vagas para as oitavas de final do Mahalo Surf Eco Festival que abria a quarta fase da competição. E ele garantiu a Bahia e o Brasil entre os dezesseis finalistas em Itacaré, superando o paulista Thiago Camarão no penúltimo confronto do dia, vencido pelo havaiano Kiron Jabour vencendo. No último, o australiano Ryan Callinan, que defende vaga no G-10 do Qualifying Series, ganhou a bateria e o seu compatriota Soli Bailey seguiu com chances de entrar na zona de classificação para o WCT nesta etapa da Bahia, ao superar o francês Andy Criere. Callinan será o adversário de Bruno Galini na segunda oitava de final e Bailey está na primeira com o havaiano Kiron Jabour.



Quando a sexta-feira começou, treze surfistas tinham chances matemáticas de ultrapassar o francês Maxime Huscenot, que está fechando a lista dos dez indicados pelo QS para completar a elite dos top-34 da World Surf League. Sete deles perderam, inclusive os quatro brasileiros que estavam na briga, o cearense Michael Rodrigues, o baiano Bino Lopes e o paulista Deivid Silva, caíram nos primeiros confrontos do dia, ainda pela segunda fase da competição. A última esperança ficou então para outro paulista, Jessé Mendes, que acabou em último na sua bateria da terceira fase, vencida pelo sul-africano Beyrick De Vries com o australiano Wade Carmichael passando em segundo.

“Hoje (sexta-feira) de manhã estava chovendo bastante e acordei meio de mau humor por causa disso”, disse o único representante da África do Sul que continua na disputa do título em Itacaré, Beyrick De Vries. “Então, coloquei uma música boa quando estava vindo pra praia pra ficar mais empolgado e na hora da minha bateria o Sol apareceu e deu tudo certo. Aí conseguir surfar com a mesma vibe de ontem e estou muito feliz por passar mais uma fase”.

CHANCES DE G-10 – Ele não está entre os seis que seguem com chances de entrar no G-10 já neste sábado em Itacaré, como o americano Evan Geiselman e os australianos Davey Cathels e Connor O´Leary, que atingem esse objetivo se chegarem nas quartas de final do Mahalo Surf Eco Festival. Os australianos Soli Bailey e Dion Atkinson ainda terão que passar mais uma fase, pois só superam os 15.100 pontos do francês Maxime Huscenot se avançarem para as semifinais. Já para o costa-ricense Noe Mar McGonagle só interessa a vitória na Bahia e ainda torcer pelo tropeço dos cinco concorrentes que estão à sua frente no ranking.


Connor O´Leary venceu um confronto que levantou a torcida local na Praia da Tiririca, vibrando intensamente com a participação do baiano Yagê Araujo. O norte-americano Noah Schweizer estava se classificando em segundo até o último minuto, quando Yagê arriscou um aéreo muito alto para virar o placar e avançar para a quarta fase. Ele agora vai disputar as duas últimas vagas para as oitavas de final contra dois australianos, Wade Carmichael e Michael Wright, na bateria que vai fechar a rodada dos 24 melhores na manhã do sábado.



“A maré deu uma subida na hora da bateria e as condições ficaram mais devagar, com grandes intervalos entre as séries, mas dei sorte de pegar algumas no início para garantir minha classificação”, analisou Connor O´Leary, que comentou sobre a possibilidade de entrar no G-10 no Mahalo Surf Eco Festival. “No momento estou em 22.o, mas não estou pensando muito em ranking ou vaga no CT. Eu só comecei a competir nas etapas mais importantes, de 6.000 e 10.000 pontos, na metade do ano passado, então estou apenas querendo ganhar mais experiência e vencer algumas baterias”.

BATALHA DO SÁBADO – A intensa batalha pelas últimas vagas na lista dos dez surfistas que sobem para o WCT pelo ranking do Qualifying Series, vai continuar neste sábado na Praia da Tiririca. A previsão é realizar três fases para já definir os quatro classificados para as semifinais que vão decidir o título de campeão da oitava edição do Mahalo Surf Eco Festival na manhã do domingo em Itacaré. A primeira chamada para a bateria entre o argentino Santiago Muniz, o marroquino Ramzi Boukhiam e o taitiano Mihimana Braye, foi marcada para as 8h00 do sábado na Bahia, 9h00 no horário de verão brasileiro.

Fonte: www.wslsouthamerica.com

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Mahalo Surf Eco Festival esquenta a briga por vagas no WCT

Uma verdadeira maratona de vinte baterias foi disputada na quinta-feira de boas ondas 2-3 pés na Praia da Tiririca, em Itacaré, no litoral sul da Bahia. Era dia das principais estrelas do Mahalo Surf Eco Festival estrearem na segunda rodada da competição e a batalha pelas últimas vagas no WCT passou a centralizar as atenções. Dezenove envolvidos nesta briga competiram e apenas dez avançaram para a rodada dos 48 melhores do QS 6000 da Bahia, o norte-americano Kanoa Igarashi e o australiano Ryan Callinan, que estão na lista dos dez que sobem pelo ranking do Qualifying Series, e o francês Joan Duru, o americano Evan Geiselman, os australianos Davey Cathels, Dion Atkinson e Soli Bailey, o brasileiro Jessé Mendes, o costa-ricense Noe Mar McGonagle e o havaiano Ezekiel Lau. As disputas recomeçam nesta sexta-feira, a partir das 8h00 em Itacaré, 9h00 no horário de verão.

Bruno Galini (Foto: Daniel Smorigo - WSL)
Bruno Galini (Foto: Daniel Smorigo – WSL)

A quinta-feira começou e terminou com vitórias baianas de Bruno Galini e Marco Fernandez. Na primeira do dia, eram três baianos disputando com um havaiano as duas primeiras vagas para a rodada dos 48 melhores do QS 6000 Mahalo Surf Eco Festival. O atleta da equipe Mahalo de competição, Bruno Galini, achou boas ondas para repetir a vitória conquistada no confronto que abriu a oitava edição do campeonato mais tradicional da América do Sul. A melhor delas valeu 8,67 para totalizar 14,67 pontos e Kiron Jabour ganhou a briga pelo segundo lugar do baiano Franklin Serpa e do local de Itacaré, Iago Silva.
“Eu estava liderando a bateria, mas com uma segunda nota baixa, então fiquei preocupado, sabendo que o Kiron (Jabour) poderia virar a qualquer momento. Ele ficou segurando o Franklin (Serpa) e entrou uma onda pra mim na prioridade (de escolha da próxima onda) dele, que deixou passar e eu acreditei na onda pra fazer uma nota boa que me tranquilizou na liderança”, disse Bruno Galini, que comentou sobre o fato de três baianos estarem abrindo a segunda fase em Itacaré. “É verdade. Quase não tem baianos no evento e cai logo três assim na mesma bateria. Lembrou até as etapas do Circuito Baiano que a gente corre aqui. Estou feliz pela vitória, mas pena que só eu passei”.
As marcas de Bruno Galini foram batidas no quarto confronto do dia, quando a batalha pelas últimas vagas no WCT começou a centralizar as atenções na Praia da Tiririca. O australiano Ryan Callinan chegou na Bahia em oitavo na lista dos dez indicados pelo ranking do Qualifying Series e dominou a bateria com a nota 8,73 da sua melhor onda. O seu compatriota, Soli Bailey, que também está na briga, pegou uma boa para tirar 8,50 e garantir a dobradinha australiana. O americano Patrick Gudauskas estava três posições abaixo da zona de classificação para o WCT e terminou em terceiro, sendo eliminado junto com o vice-campeão do Mahalo Surf Eco Festival no ano passado, o francês Paul Cesar Distinguin.
“Foi bem legal a bateria, porque tinha bastante ondas para todos lá fora. Estão meio difíceis de achar, mas tem várias boas e peguei uma que acertei duas batidas muito fortes que foi a minha melhor onda”, contou Ryan Callinan, que comentou sobre a disputa pelas últimas vagas no WCT. “Os eventos do QS 6000 e do QS 10000 são a minha prioridade. Acho que uma vitória aqui me garante nos top-10, então estou fazendo o meu melhor para conseguir isso. Eu tenho ido dormir cedo, jantando cedo e vou continuar surfando do jeito que estou porque vem dando certo”.

Ryan Callinan (Foto: Daniel Smorigo - WSL)
Ryan Callinan (Foto: Daniel Smorigo – WSL)

VAGAS NO WCT – Na disputa seguinte, outro concorrente direto por vagas no G-10 do Qualifying Series caiu, o francês Maxime Huscenot, que defendia o último lugar na lista e foi barrado numa dobradinha brasileira de Thiago Camarão com com Matheus Navarro. Com isso, um incrível número de vinte surfistas ficou com chances de ultrapassa-lo com os 6.000 pontos do Mahalo Surf Eco Festival. No entanto, dois deles caíram nos confrontos seguintes, os norte-americanos Nathan Yeomans e Conner Coffin. Já o australiano Davey Cathels, foi o primeiro dos adversários a avançar para a terceira fase, registrando um novo recorde de 15,23 pontos para a quinta-feira em Itacaré.
O norte-americano Kanoa Igarashi, sexto colocado no ranking e bem perto de garantir sua classificação para a divisão de elite da World Surf League, também confirmou o favoritismo na nona bateria do dia. O outro cabeça de chave, Granger Larsen, do Havaí, superou o brasileiro Victor Bernardo e o espanhol Vicente Romero para passar em segundo para a terceira fase. Ele ultrapassa a barreira dos 20.000 pontos no ranking se chegar nas semifinais do Mahalo Surf Eco Festival no domingo, quando será definido o campeão em Itacaré.
“Foi uma bateria bem difícil. Não foi fácil escolher as ondas boas com potencial para tirar notas altas”, destacou Kanoa Igarashi. “Eu queria poder pegar mais ondas e fiquei mais afastado dos outros surfistas quando não estava com a prioridade. Acabei tirando uma nota 7,17 sem a prioridade e estou amarradão por ter passado. Estou perto de me qualificar para o CT, mas esse não era um objetivo meu no início do ano, então só em ter essa possibilidade me deixa feliz. Eu ainda sou bem jovem e nem acredito que estou nos top-10 no momento, mas claro que meu objetivo é vencer esse evento e vou fazer de tudo para realiza-lo”.
ESTRELA DO WCT – Na sequência mais dois surfistas com chances matemáticas de entrar no G-10 estrearam na Praia da Tiririca. O neozelandês Billy Stairmand foi barrado pelo norte-americano Derek Peters e o francês Nomme Mignot, mas o norte-americano Evan Geiselman se classificou, com o argentino Santiago Muniz avançando em segundo. A bateria seguinte foi uma das mais adrenalizantes do dia, com uma estrela da elite do WCT fazendo sua primeira apresentação no Mahalo Surf Eco Festival, o potiguar Jadson André, junto com o vice-campeão da outra etapa do QS 6000 encerrada domingo com vitória brasileira de Deivid Silva, o australiano Stu Kennedy.

Jadson André direto do WCT de Portugal para Itacaré (Foto: Daniel Smorigo - WSL)
Jadson André direto do WCT de Portugal para Itacaré (Foto: Daniel Smorigo – WSL)

No entanto, quem brilhou foi o marroquino Ramzi Boukhiam, que massacrou uma direita com duas manobras muito fortes de backside levantando grandes leques de água, para conseguir a maior nota na Praia da Tiririca até ali, 8,83. O australiano liderou boa parte da bateria, mas acabou ultrapassado por Jadson André e ficou buscando 5,90 pontos para se classificar em segundo lugar. Stu Kennedy chegou bem perto disso duas vezes nos minutos finais, mas em ambas as ondas recebeu nota 5,80 e acabou eliminado junto com o catarinense Jean da Silva. O australiano agora vê sua sétima posição no G-10 ameaçada pelos surfistas que continuam na disputa pelos 6.000 pontos do Mahalo Surf Eco Festival.
“Eu acordei muito cedo pra vim surfar aqui, olhei muito o mar e vi algumas direitas que entram mais à esquerda da praia”, disse Ramzi Boukhiam. “Eu peguei uma boa e logo depois outra que poderia fazer mais uma nota alta e caí. Mas, estou feliz porque passei para a próxima fase. Acho que é a primeira vez que eu tenho uma bateria de segunda fase em etapas importantes do QS tão forte assim, com o Stu Kennedy, o Jadson (André) e o Jean (da Silva). São três surfistas muito bons e foi uma boa bateria, então estou bem contente por ter vencido”.
NOVOS RECORDES – Eles competiram quando rolaram as melhores ondas do dia e na disputa seguinte, na 13.a bateria da quinta-feira, o neozelandês Ricardo Christie estabeleceu novos recordes para o QS 6000 Mahalo Surf Eco Festival. Ele achou uma boa esquerda para mandar uma série de três manobras fortes de backside nos pontos mais críticos da onda pra ganhar nota 9,17, a maior da semana em Itacaré. Com ela, também registrou um novo recorde de pontos com os 17,10 que já totalizava com o 7,93 da sua terceira onda.
“A onda do high-score (nota alta) foi uma onda boa, não a maior da série, mas com bom tamanho pra fazer grandes manobras”, disse o outro integrante do WCT que veio direto de Portugal para competir em Itacaré, Ricardo Christie. “Aqui é muito lindo. É exatamente o que imagino quando penso no Brasil, com muita mata, lindas praias e boas ondas. A água é bem quente e estamos aqui tomando vários sucos, água de coco, comendo manga e outras frutas tropicais deliciosas. Achei demais a cidade e toda essa Natureza aqui”.

Ricardo Christie pulverizando os recordes em sua estreia em Itacaré (Foto: Daniel Smorigo - WSL)
Ricardo Christie pulverizando os recordes em sua estreia em Itacaré (Foto: Daniel Smorigo – WSL)

O francês Joan Duru, que perdeu a última vaga na lista dos dez do QS que sobem para o CT para o australiano Stu Kennedy na etapa encerrada domingo em Florianópolis, liderava com duas notas na casa dos 7 pontos, mas ainda com uma boa vantagem de mais de 8,44 sobre o catarinense Willian Cardoso e uma “combination” em Cory Arrambide na briga pela segunda vaga. Os dois não conseguiram achar boas ondas e Joan Duru seguiu em frente para tentar retornar a zona de classificação para o CT na Bahia.
MARATONA DE BATERIAS – A maratona de vinte baterias na quinta-feira de boas ondas na Praia da Tiririca prosseguiu com concorrentes diretos pelas vagas no G-10 se classificando e também sendo eliminados. O costa-ricense Noe Mar McGonagle, o australiano Dion Atkinson e o brasileiro Jessé Mendes avançaram e continuam na luta para entrar na zona de classificação para o CT no Mahalo Surf Eco Festival. Já o havaiano Tanner Hendrickson foi barrado na bateria vencida pelo uruguaio Marco Giorgi e o costa-ricense Carlos Munoz perdeu na última do dia, que começou e terminou com vitória baiana. Bruno Galini ganhou a primeira e Marco Fernandez a que fechou a longa quinta-feira em Itacaré.
Restaram apenas quatro para encerrar a segunda fase e a que vai abrir a sexta-feira, as 8h00 na Praia da Tiririca, é encabeçada pelo brasileiro que está mais perto do G-10 no momento, o cearense Michael Rodrigues. Ele vai enfrentar três estrangeiros, o australiano Cooper Chapman, o indonesiano Oney Anwar e o americano Ian Crane. Na seguinte entra o baiano mais bem colocado no ranking, Bino Lopes, da equipe Mahalo, que ocupa a 38.a posição e tem chances de vaga no G-10 em casa. Já o defensor do título da etapa baiana do WSL Qualifying Series, Alex Ribeiro, novidade já confirmada na seleção brasileira do WCT, só estreia na bateria que vai fechar a segunda fase, a quarta da sexta-feira em Itacaré.
LINK PARA NEWSFEEDS E HIGHLIGHTS:
—————————————————————–
TERCEIRA FASE DO MAHALO SURF ECO FESTIVAL – baterias já formadas:——
3.o=25.o lugar com 700 pontos e US$ 1.300 de prêmio 
4.o=37.o lugar com US$ 1.200 e 650 pts:
1.a: Tanner Gudauskas (EUA), Nic Von Rupp (PRT), Soli Bailey (AUS), Bruno Galini (BRA)
2.a: Ryan Callinan (AUS), Ezekiel Lau (HAV), Kiron Jabour (HAV), Hiroto Arai (JPN)
3.a: Thiago Camarão (BRA), Ian Gouveia (BRA), Andy Criere (FRA), Leandro Usuna (ARG)
4.a: Davey Cathels (AUS), Michael February (AFR), Matheus Navarro (BRA), Mihimana Braye (TAH)
5.a: Jadson André (BRA), Kanoa Igarashi (EUA), Santiago Muniz (ARG), Derek Peters (EUA)
6.a: Evan Geiselman (EUA), Granger Larsen (HAV), Ramzi Boukhiam (MAR), Nomme Mignot (FRA)
7.a: Ricardo Christie (NZL), Noe Mar McGonagle (CRI), David do Carmo (BRA), Lucas Silveira (BRA)
8.a: Joan Duru (FRA), Dion Atkinson (AUS), Medi Veminardi (REU), Robson Santos (BRA)
9.a: Tomas Hermes (BRA), Marco Giorgi (URY), Rafael Teixeira (BRA), Leonardo Fioravanti (ITA)
10.a: Jessé Mendes (BRA), Wade Carmichael (AUS), Beyrick de Vries (AFR), Marco Fernandez (BRA)

SEGUNDA FASE – 3.o=49.o lugar com 400 pontos e US$ 550 / 4.o=73.o lugar com US$ 450 e 370 pts:
1.a: 1-Bruno Galini (BRA), 2-Kiron Jabour (HAV), 3-Franklin Serpa (BRA), 4-Iago Silva (BRA)2.a: 1-Tanner Gudauskas (EUA), 2-Hiroto Arai (JPN), 3-Mitch Crews (AUS), 4-Messias Felix (BRA)3.a: 1-Ezekiel Lau (HAV), 2-Nic Von Rupp (PRT), 3-Charles Martin (GLP), 4-Yuri Gonçalves (BRA)4.a: 1-Ryan Callinan (AUS), 2-Soli Bailey (AUS), 3-Patrick Gudauskas (EUA), 4-Paul Cesar Distinguin (FRA)5.a: 1-Thiago Camarão (BRA), 2-Matheus Navarro (BRA), 3-Maxime Huscenot (FRA), 4-Diego Mignot (FRA)6.a: 1-Andy Criere (FRA), 2-Michael February (AFR), 3-Nathan Yeomans (EUA), 4-Nathan Hedge (AUS)7.a: 1-Mihimana Braye (TAH), 2-Leandro Usuna (ARG), 3-Yadin Nicol (AUS), 4-Conner Coffin (EUA)8.a: 1-Davey Cathels (AUS), 2-Ian Gouveia (BRA), 3-Hizunomê Bettero (BRA), 4-Tristan Guilbaud (FRA)9.a: 1-Kanoa Igarashi (EUA), 2-Granger Larsen (HAV), 3-Victor Bernardo (BRA), 4-Vicente Romero (ESP)10: 1-Derek Peters (EUA), 2-Nomme Mignot (FRA), 3-Billy Stairmand (NZL), 4-Heitor Alves (BRA)11: 1-Evan Geiselman (EUA), 2-Santiago Muniz (ARG), 3-Paulo Moura (BRA), 4-Takumi Yasui (JPN)12: 1-Ramzi Boukhiam (MAR), 2-Jadson André (BRA), 3-Stu Kennedy (AUS), 4-Jean da Silva (BRA)13: 1-Ricardo Christie (NZL), 2-Joan Duru (FRA), 3-Willian Cardoso (BRA), 4-Cory Arrambide (EUA)14: 1-Noe Mar McGonagle (CRI), 2-Medi Veminardi (REU), 3-Luel Felipe (BRA), 4-Jatyr Berasaluce (ESP)15: 1-Robson Santos (BRA), 2-Lucas Silveira (BRA), 3-Michael Dunphy (EUA), 4-Pedro Henrique (PRT)16: 1-Dion Atkinson (AUS), 2-David do Carmo (BRA), 3-Dylan Lightfoot (AFR), 4-Colt Ward (EUA)17: 1-Rafael Teixeira (BRA), 2-Jessé Mendes (BRA), 3-Mateia Hiquily (TAH), 4-Krystian Kymerson (BRA)18: 1-Marco Giorgi (URY), 2-Wade Carmichael (AUS), 3-Halley Batista (BRA), 4-Tanner Hendrickson (HAV)19: 1-Beyrick De Vries (AFR), 2-Tomas Hermes (BRA), 3-Timothee Bisso (GLP), 4-Parker Coffin (EUA)20: 1-Marco Fernandez (BRA), 2-Leonardo Fioravanti (ITA), 3-Carlos Munoz (CRI), 4-Lucca Mesinas (PER) 
Baterias que vão abrir a sexta-feira:
21: Michael Rodrigues (BRA) e Cooper Chapman (AUS), Oney Anwar (IDN), Ian Crane (EUA)
22: Connor O´Leary (AUS) e Bino Lopes (BRA), Ian Gentil (HAV), Yago Dora (BRA)23: Brent Dorrington (AUS) e Deivid Silva (BRA), Michael Wright (AUS), Caetano Vargas (BRA)24: Alex Ribeiro (BRA) e Yagê Araujo (BRA), Renato Galvão (BRA), Weslley Dantas (BRA)
Fonte: WSL